Historia de Pescador Por João Medeiros
Post:
Tucunarés e outros peixes de Bataguassu-MS (maio/2014)

Fala pessoal! Desta vez a aventura foi em Bataguassu-MS, Rio Paraná, primeira cidade passando a ponte de Epitácio, que divide os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.Fomos eu, meu irmão Pedro e amigo Bruno.

A pousada que ficamos desta vez foi o PESQUEIRO BERTASSO, do proprietário Fábio, pessoa muito humilde, atenciosa e bem humorada, que nos tratou muito bem nos três dias de estadia. Além do preço mais baixo do que a grande maioria das pousadas da região, outra grande vantagem da pousada é que a sua localização fica na margem do Rio, em um lugar abrigado por uma grande ilha, e além disso, os pontos de pesca ficam muito próximos, gastando pouquíssima gasolina no dia e podendo pescar em pauleiras no meio, ou se estiver ventando muito pesca-se mais próximo ás margens em estruturas de algas e taboas dando até para sair apenas com o motor elétrico para brincar com alguns tucunarés. E para quem gosta de pescar dourados, pintados, cachorras e outros peixes na rodada com isca viva, o principal ponto da região que é perto da ponte da divisa, fica a 10 minutos da pousada. Pescando por perto, fica viável voltar para a pousada para almoçar.

Além de tudo a pousada conta com quartos quádruplos com ar condicionado e banheiro e uma comida caseira muito boa!

Placa chegando na pousada, já com os telefones de contato:

Chegando na pousada o pessoal foi pescar traíras em frente onde ficam os barcos, e pegaram muitas! Então fui correndo pegar uma varinha e uma isca de superfície:

Jantamos e fomos dormir para o primeiro dia de pesca.

Nosso quarto:

Primeiro diaAcordamos e nos deparamos com o tempo fechado, frio e vento, mesmo assim saimos pro rio atrás dos tucunarés.

Reparem como a margem do rio é perto do quarto, o nosso ficava em frente ao carro preto estacionado no canto superior da foto:

Para piorar, começou a chover e ventar mais, mesmo assim pegamos alguns tucunarés amarelos.

O vento piorou e viemos bater nas margens bem próximo à pousada, e acertei esse baita amarelão, passou dos 2kg:

Por volta das 10h abortamos a pescaria e encostamos na pousada pois a chuva piorou e o vento estava muito forte mesmo, veio com tudo!

Na hora do almoço uma bela ararara estava no meio do pessoal:

Esperamos o tempo passar, almoçamos e às 16h acalmou geral então saímos novamente para pescar bem pertinho da pousada. Mesmo que a água tenha sujado muito com o temporal começamos pegando vários amarelinhos como esse:

e alguns amarelos maiores:

Quando eu achava que próximo à margem só tinha tucunaré-amarelo, na primeira trabalhada da isca flash sinto um tranco forte seguido de um grande rebojo, o azulão saltou lá longe e começou uma grande briga onde varinha Black Mamba da REDAI trabalhou com força, peixe embarcado! Tucunaré-azul de 3,5kg!

Enche a câmera!

Vai pra vida azulão! Pescando e soltando sempre

No finalzinho da tarde ainda acertei mais um tucunaré-azul, mas estava mais para albino porque era bem claro, lindo peixe!

Assim terminou o primeiro dia de pesca, lembrando que pescamos das 8h ás 10h e depois das 16h ás 18h. 

Segundo dia, acordei com o tempo praticamente nublado, porém abrindo a porta do quarto me deparei com esse lindo nascer do sol:

Saímos atrás dos tucunarés, mas mesmo com pouco vento, os peixes não pegavam por nada, água ficou turva e muito gelada, pegamos poucos tucunarés até a hora do almoço, mesmo pescando em paliteiros propícios como esses:

Na hora do almoço, resolvemos deixar de lado o dia fraco de tucunarés, e de tarde ir pescar de rodada com tuvira, perto da ponte da divisa. Logo na primeira rodada perdi uma puxada forte, com certeza se tratava de um dourado.

Depois em outra rodada, mais uma forte puxada e desta vez não perdi a fisgada, o peixe pulou lá longe e a varinha ''bebeu água'' na briga, um enorme exemplar de cachorra, com aproximadamente 4kg!

Um bom tempo sem ações e meu irmão engata um peixe que não salta e briga muito, vem aí a surpresa, um belo pintado com cerca de 5kg.

O dia acabou e infelizmente o dourado não apareceu, porém voltamos muito satisfeitos pois fisgamos duas espécies de peixes muito esportivas e cada vez mais raras no Rio Paraná.

Na volta para a pousada, já na hora do pôr-do-sol, o céu deu um show a parte:

O outro dia amanheceu ensolarado, mas com um pouco de vento, então pescamos pertinho da pousada próximo ás margens, e acertamos 30 tucunarés pequenos em um cardume em um mesmo ponto, com direito a alguns triplês e dublês, sem fotos.

Logo depois o vento parou e fomos pescar nas estruturas no meio do rio!

Aí então ficamos surpresos com o número de ações, até a hora do almoço fisgamos mais de 50 tucunarés, e no dia inteiro eu sozinho fisguei 40 tucunas! E ainda perdi um azulão na beira do barco, faz parte! Fotos do dia:

Até que enfim o parceiro Bruno topou sair em uma foto:

Pra fechar o dia esse maravilhoso pôr-do-sol:

Assim terminou a nossa pescaria, mais uma vez abençoada por Deus!

Lembrando que todos os peixes foram soltos!

Agradeço ao Fábio (proprietário) pela oportunidade e ao guia Pedro que nos colocou cara a cara com os peixes.

Obrigado a todos e até a próxima história de pescador.

Equipamentos:

Tucunarés: 

Vara Redai Black Mamba 5'8 17lb + Carretilha Shimno Core 51mg7

Linha Vexter (japan) 0,25mm (30lb) e leader fluorcarbono Maruri Master 0,45mm;

 Obs: Primeiro teste da vara Redai Black Mamba e 100% aprovada, com certeza a melhor, mais leve e balanceada vara para tucunarés que já usei!

Iscas: 

Intergreen Firestick (cor osso)

Kingfisher Flash (cor osso)

Brava 90 (verde limão)

X-Rap 10 (branca)

Streammer Jig 10g by Jhonny Hoffmann (branco)

Rodada com isca viva:

Vara Daiwa TDT 6'6 25lb + Carretilha Shimano Corvalus 401

Linha Max Force monofilamento 0,52mm + Anzol Maruseigo 30 com empate de aço de 30cm 50lb.